quinta-feira, março 23, 2017

O QUERER POR LORENA MOURA



*O Mergulho - escultura da
artista Marina Vergara.

                 Eu quero não possuir os afetos. Quero poder distribuí-los em cada gesto meu. Quero andar sem o peso dos sentimentos. Não quero carregá-los por aí. Pelo contrário, quero espalhá-los, soltá-los, deixá-los ir em direção a quem se destina... 
                Quero transformá-los em voz, em poesia, em canto, em suspiro, em beijos, em abraços e em atrito. Mas quero que eles sejam leves, como balões de gás hélio. Jamais vazios! Não quero criar regras para me controlar e me adequar às minhas limitações, mas quero momentos repletos de vontade e desejo de ser. Quero transcender! Quero ser amável, ser amada, amante... Quero ser feliz, ser alegria e dor... Quero ser o que sentir vontade e necessidade de Ser... Ora criança, ora mulher. 
                 Eu não fui feita para me enquadrar em sistemas, quero quebrá-los e ir contra o rebanho dos insensíveis e do comodismo da "vida". Não quero temer e nem esperar mais do que devo. Busco ir em direção à vida e em direção ao meu centro, pensando sempre na liberdade como uma coisa preciosa e capaz de afetar não só a mim, mas também aos que amo. E dessa forma, quero evoluir como ser humano e poder dizer sim, repetidas vezes, para todas minhas escolhas.














*Lorena Moura.
- Estudante de psicologia da Universidade Federal Fluminense - UFF em Campos dos Goytacazes-RJ.

terça-feira, março 14, 2017

ENTREVISTA COM AVLES SEVLA ALVES


NÃO É A DERCY GONÇALVES,
MAS É AMANTE DA PUTOSIA!


NÃO É RAUL SEIXAS,
MAS É ANARQUISTA
DE PRIMEIRA!


APRESENTO PARA VOCÊS UMA ENTREVISTA
SEM CORTES, NUA E CRUA
COM O ESCRITOR AVLES SEVLA ALVES:



*Nome: Valter Alves.
*Pseudônimo: Avles Sevla Alves.
*Cidade de origem: Entre Alagoas e Macaubas-BA debaixo de um pé de pitomba.
*Cidade que representa: Flor Resta.
*Atividade (s): várias se o tempo me permitir, no momento filmando, colagem na rua, zine, ensaio, pichação, pira, transpira e conspira e vadiando as vezes. Povoando minha solidão.
*Data de nascimento: esqueci só sei que 750 mil anos e estou na adolescência.
*Obs: o uso da letra x em algumas palavras e uso de alguns erros são proposital para questionar a língua portuguesa machista sacou!? Se liga!


1-Como nasceu a PUTOESIA?

De um abortamento em que a poesia gravida resolveu não ter, apenas ser. Nasceu da vontade de passar informação que recebia. Nasceu da vontade de assassinar a poesia de cifrão. Da poesia que tem medo de arriscar. Da poesia tímida trancada na gaveta. Nasceu da revolta de outro mundo és possível. De ke existe outras verdades. 

Nasceu de antonin artaud dizer que há dez mil maneiras de se viver. Ke xs mortxs deixem para xs vivxs! E também da vontade de descobrir o escritor e a escritora que existia em mim e gritar pra todxs escrevam porra e espalhem-se. Nasceu quando eu um pequeno ser descobriu com o anarquismo punk a arte de voar com a e pela liberdade, pensada para todxs os seres, onde não existiria nada pronto mas tudo pensado para todxs xs seres e sentidos algo construído para e com todxs assim nasceu a PUTOESIAaaaaaaaa porraaaaaaaaaaaaaa!!!! Caralhoooooo!!!! Cucucucucucucucucucucu! – tenho síndrome de Turrette na literatura. 

E foi assim putoeticamente... Da idéia de você pode escrever então escreva, juntar texto de outrxs rabiscadorxs que passavam pelos meus olhos, tato, tímpanos e cérebro, junto com a poesia saca akele lance do RAP? Recorte. Colagem sacou! Trabalhamos o titulo que quase sempre, ou as vezes, tem haver com o que vai ser escrito depois e assim segue-se. Depois vamos esculpindo, pintando e conspirando a putoesia. Fagulhas e centelhas. Logo vem o corpo da putoesia e em seguida a assinatura de quem escreveu claro que trabalho com personagem que uso de várias maneiras, as vezes, algum outro ser assina a putoesia, gosto de brincar com a assinatura de quem escreve a putoesia e depois vem seguindo um texto ou uma frase, situação etc... de algo ou de alguém que li, vi ou criei. Saca assim se constrói mi putoesia, mas sempre sendo uma escrita com interrogações, protesto e duvidas senão não é putoesia. Sacou? As vezes imagino como uma pintura em palavras. As vezes falo que é uma literatura rap saca! a arte da colagem na musica e a arte da colagem na poesia junto com a revolta ajudou o abortamento putoético sacou porraaaaaaaaaa caralhhhhhhhooo pênis pênis pênis pênis 

As vezes tem putoesias minhas que tem como titulo um hai cai ou um conto minúsculo. Fui.

2-Qual sua visão sobre as publicações de escritores em editoras artesanais no Brasil? 

Espalhem-se. Erva-daninha-se. Fagulha-se.

Centelha-se. Voe-se. Assassine x atravessadorx na literatura e estreitemos os laços entre pessoas que gostam de apoiar, ler e ajudar sua literatura. E também Foda-se os direitos autorais. Vamos transar?

3-Como você avalia o movimento ANARQUISTA no Brasil dentro da cultura? 

Porra mano bucettaaaaaaaaaaaa cu cu cu cu cu cu cu! Pra mim é uma pergunta difícil, pois não tenho tanta informação sobre toda movimentação anarquista de ontem e de hoje no brasil, mas pelo pouco que sei, continua na resistência produzindo revolta com interrogações e semeando pinturas com duvidas, armas como arte e arte como arma. Buscando ser nesse mundo de ter e assim acredito que amando duvidas e buscando liberdade pensada para todxs. Resistindo como tem que ser. acho que é isso. Salut. 

4-Pichar é uma forma de manifestação ou uma forma de poluir a paisagem? Explique.

Pra mim é uma forma de manifestar-se, revoltar, pintar, fotografar uma nova percepção, foder com o olhar padronizado, voar e transar com as paredes. É o ke você quiser achar que é. Foda-se vai estar la em algum momento. Sacou! Vaaaaaagggiinnnaaaaaaaaaaaaaa! Vagina vagina vaginaaaaaaa. 


5-Na década de 70 tivemos uma poesia panfletaria com movimento marginal e hoje o que temos? 

Ke xs mortxs deixem para xs vivxs porra antonin caralhoooooooooooooooo bucetaaaaaaaaaaaa!

Hoje temos a putoesia! O assassinato dx atravessadorx! Tem a arte marginal que continua marginal com suas produções. 


6-A internet através das redes sociais ajuda a espalhar a PUTOSIA no mundo? 

Não! Foi a empresa que correios e telégrafos, para o mundo não sei, mas pra uns manos e minas com certeza de varias localidades com cervejaaaaaaaaaaaaaaaaa, quando o selo social era 1 centavo pra envio de postagem até 10 gramas. Alguns zines punk e anarcopunk, zine de poesias de alguns manxs. 

Hoje tenho um blog segue ai o endereço apareça lá pra transarmos.



7- Quantos livros publicados? Quais nomes? 

Fale um pouco de cada um... 

Então tenho 4 romances e alguns livros de putoesias e vários livretos e algumas coisas publicadas por ai que não conheço, mas sei que rola. 

Meu primeiro romance: 

.O VATICANO – nanû da silva - conta a história de um menino brasileiro, filho de imigrantes, que ao voltar a Itália em Roma com seu pai para um passeio volta com a idéia de roubar o santo graal. Pra isso ele se torna padre e bispo. Pensei como num filme sendo rodado aki no Brasil e Itália. Consegui publica-lo por uma editora, mas me arrependi. Saiu poucas copias. Mas vou mudar a sinopse e o nome do livro para relançar novamente com algumas correções. Então vai ser assim: Ao levantar sem autorização, da mesa, Pietro segue em direção, a onde esta sentado, o Papa e beija-o no rosto. Como Judas. Todos ficam perplexos no mosteiro. O monsenhor grita com Pietro. O Papa respira fundo e senti o cheiro da cannabis sativa e diz: “deixa o menino em paz”. O nome do livro vai se chamar BASEADO NO “baseado”. 


Meu segundo romance:

TALES – a pekena moeda 200 réis de 1938. – Anigav da silva - Porraaaaaaaaaaaaa esse foi du caralhoooooooooooooo bucetaaaaaaaaaa cu cu cu cu cu cuuuuuuuuuuuuuuu

Então depois que terminei meu primeiro romance que foi um desafio feito por mim mesmo pra ve se eu conseguia escrever um romance, pois achava que era foda que não conseguiria rabiscar um romance, então ai dizia pra mim é agora e ai fudeu! O que vou escrever novamente porra nessa busca ai estava em meu mocó fuçando nas minhas gavetas, depois de um bom baseado e a banda Menstruation no toca fita cassete, quando encontrei-a-a. ficou com ela na palma de minha mãe direita sentido-a-a e observando-a-a e viajando-a-a quando de repente meu cérebro gritou porra caralhoooo bucettaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa tai o livro. Já pensou se essa moeda de 200 réis de 1938 conta-se as mãos que a tocaram? Porra ai foi-se pesquisar algumas paradas, criar personagens, pira, transpira e conspira regado a muita maconha. Daí nasceu o livro que conta a história de uma pequena moeda 200 réis de 1938 contando as mãos que a tocaram. Ela vai desde que ela sai da cunhadeira e vai até 1942 que ela perde valor depois até 2008 encontrada por mim. Sacou porrraaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa! 

Infelizmente ainda não consegui publica-lo, pois ele é muito grande. Não é de ponte áerea sacou Verrissimo?


Terceiro romance:

O DIÁLOGO – Nanû da silva, Anigav da silva e Avles. 

La estava eu novamente a procura do que escrever porra bucetta vaginaaaa o que escrever. Então procura vai procura vem e estava eu assistindo o filme do mel Gibson paixão de cristo se não me engano. Ai quando me veio a idéia de escrever uma peça teatral onde levaríamos a crucificação para o teatro e a peça se resumiria no diálogo entre jesus e os dois ladrões era essa a pira. Mais ai no decorrer dos rabiscos foi se alongando a escrita e também comecei a pensar em escrever algo que a bíblia não conta, a historia de jesus dos 10 aos 30 anos sacou!? E a conspira foi escrever a história de Jesus, mas como Hórus, dos 10 aos 30 anos com a idéia de mais dois escritorxs escrevendo juntos comigo. Sendo assim terminamos esse romance. Consegui publicar apenas 60 cópias dele.

Meu quarto romance:

VAGINA – diário de Anigav da silva – Avles Sevla Alves

Esse romance não sei como aconteceu, mas estava procurando algo para escrever como sempre e tive a idéia de usar e homenagear a mulher como protagonista desse nova historinha que irei escrever, assim saiu o livro. Procura vai e vem resolvi escrever algo em que estava envolvido, a cultura anarcopunk então pensando e pensando acabei escrevendo sobre uma garota anarcopunk que resolve numa reunião ser a entregadora das correspondências do movimento anarcopunk numa época em que a empresa estava abrindo suas correspondencias, tinha a história comigo mas não sabia como colocar no papel foi ai que surgiu a idéia que conto no livro como foi o processo desse romance da construção desse romance. 

Em todos os meus romance x leitor vai ler a história ficcional e também a ousadia do escritor. Acaba sendo dois livros em um entendeu? Leia-me!

Livros pra lançar:

262 Monólogo – livro de putoesias com títulos de monólogo

Deixe uma mensagem para posterioridade no estilo FLOR RESTA. Abraços de maluco beleza...

Na flor resta-se

O humano ainda 

Evolui

(Sevla - Na flor resta-se

O humano ainda 

Evolui

(Sevla - Trocar por exemplo, o nome de uma ou outra rua ou praça não vai mudar em nada a razão punitiva da cidade, indiferente à ideologia dominante.

Abraços de sucuri a vos mice e todxs ai.

DIVULGANDO CULTURA!


DIVULGANDO CULTURA!


segunda-feira, fevereiro 27, 2017

SILÊNCIO E LUZ POR LORENA MOURA



SILÊNCIO E LUZ

           O que há de íntimo e inexplicável na música é o mesmo que há no universo das águas profundas, após ficar observando os peixes de um lado ao outro me senti extremamente agraciada ao Cosmos e à vida...Mergulhei em direção às pedras, onde descobri haver um universo em movimento.
            É um mundo de espectros de cores e fantasia, onde há corais, peixes de todos os tipos e muitas flores subaquáticas. O movimento que existe lá embaixo te faz esquecer da superfície e da dureza intrínseca do chão. 
                 Você entra na intimidade de um ambiente que não te pertence; um ambiente onde você pode flutuar sem medo de cair; onde flores roxas, claríssimas, dançam ao ritmo da correnteza; onde só há leveza e o espetáculo da existência que, como a sua, só têm uma mesma condição que leva à outra: nascimento e morte. Dois pólos que pertencem igualmente à vida, como já dizia o filósofo Schopenhauer. Era tudo silêncio e luz.
                  



*Lorena Moura.
- Estudante de psicologia da Universidade Federal Fluminense - UFF em Campos dos Goytacazes-RJ.

DIVULGANDO CULTURA!





ACADEMIA DE LETRAS MENOTTI DEL PICCHIA
abre vagas a Novos Membros Correspondentes! 

EDITAL Nº. 01/ALMDP/2017 DISPÕE SOBRE OS PROCEDIMENTOS DE INSCRIÇÃO E SELEÇÃO PARA O PROCESSO SELETIVO DE NOVOS MEMBROS DA "ACADEMIA DE LETRAS MENOTTI DEL PICCHIA" O Presidente da “Academia de Letras Menotti Del Picchia”, de Itapira, SP (berço do ‘Juca Mulato’), no uso de suas atribuições estatutárias, torna público o Processo Seletivo para ingresso de novos membros para a composição de seus quadros: 

1- DAS VAGAS: 

Estão abertas quatro (4) vagas para a composição do quadro de membros correspondentes da Academia, que podem ou não serem ocupadas, de acordo com os critérios estabelecidos para o ingresso. 

2 - DA INSCRIÇÃO: 

2.1 - As inscrições ao Processo Seletivo serão recebidas no período de 17 de fevereiro a 17 de março de 2017. 

2.2 - Podem inscrever-se pessoas maiores de 18 anos com, no mínimo, 3 (três) anos de domicílio no território nacional, que apresentem efetiva contribuição para a literatura e artes em geral, notório saber e reputação ilibada. 

2.3 A inscrição será efetuada mediante a apresentação dos seguintes: a) curriculum vitae completo e atualizado; b) produção literária / artística do (a) candidato (a) para ser avaliada pela Comissão de Seleção. 

2.4 A inscrição deverá ser encaminhada até o dia 17 de março, via e-mail, para falasp2004@yahoo.com.br aos cuidados do Presidente da FALASP, conde Thiago de Menezes. 

3 - DO PROCESSO SELETIVO A seleção será realizada em duas etapas: 

a) Análise do Curriculum vitae da produção literária.

b) Entrevista com os membros da Comissão de Seleção. 

Obs.: Entrega dos certificados se dará em Brasília, DF, na data de 03 de abril de 2017. Posteriormente haverá confraternização na cidade de Itapira, SP, sede da “Academia de Letras Menotti Del Picchia”, integrante da FALASP – Federação das Academias de Letras e Artes do Estado de São Paulo.

segunda-feira, fevereiro 20, 2017

COMO UMA ROSA POR ERIKA GOMES PEREIRA



COMO UMA ROSA


As rosas me encantam!
Das flores, elas são as mais misteriosas...
Belas, sedutoras, perfumadas e envolventes.
Vejo um mistério em seu interior,
Mistério esse que me enfeitiçou.

Elas são delicadas, mas marcam presença.
São aveludas!
Quem não quer tocá-las?
Suas cores chamam atenção,
As vermelhas então...

Elas falam sem poder falar,
Traduzem sentimentos sem poder explicar.
Elas são poderosas!
Você pode até conseguir feri-las,

Mas tendo a certeza de seus espinhas
Irão machucar e deixar dolorido.

Sinto-me como a rosa.
A rosa vermelha para ser mais específica.
Delicada e bruta ao mesmo tempo,
Meiga e sedutora...
Aquela que exala perfume aonde passa...
Aquela que fere a quem a maltrata...
Aquela que se mostra e é especial para cada existencial...
Serei sempre a rosa imortal!

20-02-17




*Erika Gomes Pereira é moradora de Tamoios, segundo distrito da cidade de Cabo Frio-RJ. 

domingo, fevereiro 19, 2017

RODRIGO POETA NO MUSEU DO SURF

*O Museu do Surf agora no seu devido lugar.


*Ontem tive o privilégio junto com minha poesia Erika Gomes Pereira de estar no Museu do Surf e de apreciar a história do Surf, através de belas pranchas e até de umas preciosidades. O Museu do Surf só existe por causa desde grande sonhador, Telmo Moraes. Telmo é sem dúvida alguma um grande nome da preservação da memória deste esporte mundial, que faz os brasileiros a amar este esporte. Tive a honra ontem de estar com o pai deste belo museu. Depois de tanta luta, de ver ovo no prego e arte de péssima qualidade com raras exceções, enfim o Museu do Surf chegou e tomara que fique para sempre, pois a praia combina com a história do esporte que mais alegria atualmente nos proporciona. Parabéns Telmo, Vitor Ribas e outros que perpetuam o nome do Surf em Cabo Frio-RJ e no mundo.

*Na foto: Rodrigo Poeta e Telmo Moraes, 
o pai do Museu do Surf.



*Veja as fotos abaixo

*A evolução das pranchas de surf no século XX.

*A história do skate no Museu do Surf.

*Em cada prancha uma história,
uma onda, uma praia e uma memória.

*Na foto: Rodrigo Poeta e sua poesia
Erika Gomes Pereira marcando
presença no Museu do Surf.

*Esta prancha tem história.


*Fotos: Rodrigo Poeta e Erika Gomes Pereira.

sexta-feira, fevereiro 17, 2017

RODRIGO POETA NA EXPOSIÇÃO NO MART



*Ontem tive o prazer de estar na abertura da exposição 105 anos de Arte Popular no Museu de Arte Religiosa e Tradicional (Convento Nossa Senhora dos Anjos) em Cabo Frio-RJ. Uma homenagem ao artista popular Antônio de Gastão. Na ocasião estive com escritor José Correia (ex-Secretario de Cultura) e com o curador do acervo de Antônio de Gastão, Evangelos Pagalidis.

*Veja as fotos abaixo:


Rodrigo Poeta e o escritor José Correia.

Rodrigo Poeta e o curador do acervo 
de Antônio de Gastão,
Evangelos Pagalidis.



Arte de Antônio de Gastão em pedra pome.


*Escultura de uma cobra.


*Escultura de uma garça.

*Os fantoches confeccionados por Gastão.

*Escultura em madeira: Barco e pescadores.