domingo, maio 14, 2017

NAZARETH DA CRUZ GOMES UM CORAÇÃO SIMBOLISTA

Nazareth da Cruz Gomes
(1877-1950)


*Nazareth da Cruz Gomes é a trisavó de Rodrigo Poeta. Natural de Saquarema-RJ. Nasceu em 30 de maio de 1877. Poetisa e pianista. Casou com Secundino Teixeira Pinto em 1903. Faleceu em 19 de novembro de 1950 no Rio de Janeiro-RJ. Nazareth da Cruz Gomes faz parte da quarta geração da família Carvalho, que é distribuída em várias cidades do Estado do Rio de Janeiro e de outro estados, mas é em Itaperuna-RJ que os Carvalhos possuem como cidade a sua raiz. Nazareth da Cruz Gomes é uma poetisa de estilo simbolista, um fato quase raro para uma mulher em sua época escrever poesia, pois a Literatura do século XIX é determinada sempre como veia masculina. A primeira poetisa da Região dos Lagos.


*Original do poema O Coração de autoria
de Nazareth da Cruz Gomes escrito em
18 de janeiro de 1894.


Vejamos na íntegra o seu poema O Coração:


O CORAÇÃO


Põe minha amiga, põe teu peito
tua serena mão.
Ouves?Há dentro dele um carpinteiro
que trabalha de noite e o dia inteiro
pregando o meu caixão.

Vamos! Trabalha mestre! Sim trabalha 
a obra sem cessar!
Não deixes a tarefa em abandono!
Vamos! Trabalha mestre eu tenho sono
e quero descansar!


Nazareth da Cruz Gomes
18 de janeiro de 1894

sexta-feira, maio 05, 2017

RODRIGO POETA NO CAFÉ CULTURAL

*Foto: Painel da Cafeteira Piazza Navona.

*No dia 03 de maio aconteceu o Café Cultural na Cafeteira Piazza Navona em São Pedro da Aldeia-RJ. O evento teve várias vertentes artísticas como: Poesia, Artes Plásticas, Esquete, Literatura e Música. O Café Cultural na sua primeira edição foi feito para homenagear a cidade de São Pedro da Aldeia-RJ, que no dia 16 de maio irá completar 400 anos de história. A parte musical ficou com os grandes músicos da Região dos Lagos, Junior Carriço e Sarah Dhy, que foi maravilhoso. A parte literária ocorreu o lançamento do livro da escritora Sandra de Badu. Também tive a honra de recitar quatro poemas em homenagem a cidade que são: "São Pedro da Aldeia", "Farinha da Poesia", "Casa da Flôr" e "São Pedro da Aldeia no palco da vida". Na exposição o tema foi a cidade de São Pedro da Aldeia, onde vários artistas divulgaram sua arte. Destaco as telas dos artistas plásticos Flávio Rangel e Lourdes Gomes, lindas. Também ocorreu apresentação de esquete com base ao livro da escritora Sandra de Badu. No final a escritora Andrea Rezende recitou um poema do seu livro Lira Minha. O evento contou com bom público. Agradeço a toda equipe da Cafeteira Piazza Navona pelo carino e claro à amiga jornalista e produtora cultural Iva Maria Carvalhaes pelo convite.


*Na foto: Rodrigo Poeta, a jornalista Keetherine Giovanessa
e a escritora Andre Rezende num papo inteligente e bem
descontraído no Café Cultural.


*Segue abaixo dois poemas que foram recitados no evento:


*Tela de Lourdes Gomes.


São Pedro da Aldeia

“Não há esmeril que possa polir a ignorância.”
Victorino Carriço


Na Igreja Matriz a história,
As bênçãos ao santo protetor,
Que é nome desta cidade cheia de glória
Divina ao Senhor.

Nas margens da Laguna
Nasciam os versos do trovador
Santinho Carriço, poeta,
Grande homem sim senhor.

Nesta terra em que o sal
Era alimento.
Hoje as poucas salinas resistem ao sol
Do tempo.

Cidade de grandes crônicas
Do futebol, da sua riqueza natural.
São memórias nas mãos dos cronistas
Desta terra afinal.

(Rodrigo Poeta) 01-05-17


*Tela de Flávio Rangel.


Casa da Flôr

“Eu tenho pensamento vivo.”
Gabriel Joaquim dos Santos

Numa flor de caco
Nasceu uma casa,
Que hoje é fato
E tem memória.

De um simples salineiro
Nasceu o belo
Crônica viva
Nas mãos de Antônio Terra.

Uma casa de caco,
Que fez da cidade
Ser conhecida de fato
Com muita felicidade.

São Pedro da Aldeia,
Memória do sal.
São Pedro da Aldeia
Memória do sal...

Numa casa de caco
Uma flor de caco
Um poeta de caco
Um poema de fato...

(Rodrigo Poeta) 01-05-17



*Após ter recitado meus poemas recebi este caputino
da Cafeteira Piazza Navona. Uma honra!

domingo, abril 23, 2017

FRASES & PENSAMENTOS!


"O prestígio literário é, antes de mais nada , 
um reflexo do poder político."

(Wilson Martins)

Wilson Martins - Crítico literário.
(1921 - 2010)

RODRIGO POETA POR RODRIGO POETA

RODRIGO POETA POR RODRIGO POETA

Respondi abaixo dez perguntas que nunca foram feitas a mim:



1. O que é amor?
Rodrigo Poeta: Um sentimento de doação, viver a conquistar sempre, ser flexível, respeitar as diferenças... Afinal ter um coração!!! 
Um elemento que não queria ter, pois quem ama de verdade sofre muito quando não é correspondido. Como sou poeta tenho que sofrer e tentar sempre ser feliz. É o destino.

2. Você está com a poesia? 
Rodrigo Poeta: Estou sempre. É o meu alimento. Um estado de espírito aliado ao cosmos.

3. Você é um sonhador? 
Rodrigo Poeta: Sim. Morrerei sonhando. Afinal tenho alma de poeta. Sonhar é preciso neste mundo tão doente.

4. Para você o que é sinceridade? 
Rodrigo Poeta: Sempre fui transparente no que faço. Às vezes isto até me atrapalha na vida. Ser autêntico incomoda muita gente. A cada dia fico a diminuir o meu ciclo de amizades. Infelizmente neste mundo vive-se um teatro de maldades feito por intrigas e falsidade.

5. O que é amizade?
Rodrigo Poeta: Amizade é algo precioso. Se você a têm de verdade e de coração é lindo. Tenho poucos amigos, mas neles posso confiar. O restante são conhecidos, colegas e viventes a admirar o meu trabalho.

6. Sobre educação. O que pensa?
Rodrigo Poeta: Já tive momentos de alegria, de realizar projetos e fazer a diferença. Hoje tenho é tédio e não tenho mais tesão de educar. Afinal o sistema patrocinado por nós mesmos destruíram a educação, os valores, a ética e a moral. Hoje viver da profissão é triste! Ser terceirizado por prefeituras corruptas, por sindicatos corruptos e por uma sociedade surda-muda. No meio privado...Uma vergonha. Pagou, passou...A sociedade está criando o caos...simplesmente isso...É só ligar a TV ou estar na Internet... Para ver aonde o mundo caminha. Já escrevi diversos artigos e fiz palestras. Assim caminha a desumanidade.

7. Sobre os sonhos. O que pensa?
Rodrigo Poeta: Sonhar é preciso sempre, mas infelizmente alguns sonhos não poderei realizar a vida é assim...Quando criança queria ser locutor de rádio, infelizmente não realizei este sonho, acabei por ironia do destino sendo professor. Outro sonho era ser pai, mas este ainda tem uma solução, através da burocrática adoção. Os outros sonhos já realizei e continuo a realizar. O mais difícil de todos é ser feliz e de encontrar a alegria no coração, de voltar a ser criança e de amar verdadeiramente...O importante nisso tudo. É que nasci poeta, tentaram no caminho (nas escolas) me destruir, mas hoje estou aqui a colorir poesia com tinta e alma.

8. Você está solteiro? 
Rodrigo Poeta: Sim. Tive vários momentos memoráveis na minha vida, mas nada que fosse eterno. Aprendi com os erros e amadureci com o tempo. Um bom relacionamento deve ser feito como uma via de mão dupla, ou seja, da troca, da doação, do carinho, da compreensão e principalmente do respeito. Sonho encontrar a poesia que vai me marcar para sempre a minha vida. Enquanto isso vou vivendo...Afinal nascemos para sermos felizes. Um poeta de verdade tem coração e alma...

9. Quais professores lhe marcaram em sua história?
Rodrigo Poeta: Quando estudei na Escola Santa Rita, a professora que sempre lembro pelo carinho que tinha dos alunos era Tia Shirle. Na Escola Sagrado Coração de Jesus, lembro da professora Iná , que depois tive o prazer de trabalhar com ela em duas ocasiões, um pessoa de coração e fibra.Já na Escola Estadual Ismar Gomes de Azevedo lembro da D. Laís, uma pessoa formidável que lecionava a extinta disciplina de Formação Especial. Já no Ensino Médio no Colégio Municipal Rui Barbosa lembro das aulas magistrais da professora e hoje amiga Algenir  Loiola, que posso dizer de coração que me influenciou muito. Lembro até hoje do seu projeto GROTESIA, onde escrevi o poema Lixo Poético. Na graduação na Ferlagos lembro com carinho dos mestres Acácio Furtado professor de Literatura Comparada, Regina Celi de Teoria Literária e da apaixonante e saudosa Icléa Dias professora de Literatura Portuguesa. Na Pós-Graduação tive o prazer de ter os mestres Luís Carlos em Teoria Literária e Katia Zandomingo com Literatura Brasileira, que se tornou minha amiga e fã. 
Hoje sou eu a influenciar por onde passo, graças a estes mestres do meu passado!!!

10. Sobre a morte. O que pensa?
Rodrigo Poeta: Um momento de vazio. Nesta seara de nome vida, já perdi muitos amigos e muitos mestres. Vivenciei o melhor com eles no palco do dia a dia. Cada história, cada momento, os desabafos, a luta, a sabedoria, o humor... Infelizmente estamos de passagem para algum lugar. Todos temos defeitos e grandes ensinamentos para passar. A vida é um enigma e a morte um estratagema do destino. Sem hora e lugar para acontecer o fim. A luz sempre brilha no fim...assim vivo.

segunda-feira, abril 10, 2017

PERGUNTAS FEITAS POR RODRIGO POETA A GERALDO CARNEIRO

Geraldo Carneiro poeta e imortal da 
Academia Brasileira de Letras.


*Em 2007 numa comunidade do extinto orkut o poeta Geraldo Carneiro respondeu diversas perguntas na época intermediadas por sua assessora. Na época fiz duas perguntas ao poeta, que hoje é imortal da Academia Brasileira de Letras.

Vejamos as perguntas e respostas:

Rodrigo Poeta:

*Hoje na internet qualquer um se denomina poeta. Será que não existe mais uma crítica literária ou a poesia se tornou banal, qualquer um faz?

Geraldo Carneiro:

A internet tem sido uma ferramenta muito usada por escritores que não conseguem editar seus livros. Há uma profusão de sites, blogs e fóruns sempre revelando novos poetas. Isso de fato democratiza o acesso à publicação, mas por vezes causa a sensação de que tornar-se poeta hoje em dia é algo muito fácil, todo mundo pode.

Rodrigo Poeta:

*Você concorda com esse movimento de poesia pela internet? Você acompanha a circulação de poesia na internet? O que acha da qualidade desses poemas? Já descobriu algum poeta interessante na rede?

Geraldo Carneiro: 

É impossível acompanhar a difusão gigantesca de poemas na internet. Em qualquer época, é preciso haver instrumentos de seleção. O poeta Sebastião Uchoa Leite costumava dizer que a poesia é o luxo da linguagem. E esse luxo só acontece sob condições muito especiais de condensação. Mas já me deparei com alguns poemas notáveis na rede. Como todo meio de difusão, a internet vai acabar ajudando a selecionar os exemplares da excelência.


quinta-feira, março 30, 2017

A VOZ DA DIVA POR RODRIGO POETA


A VOZ DA DIVA

O sol refletiu
No pandeiro,
A ecoar a voz
De Thaís Macedo
Para o Brasil inteiro,
As notas do seu samba faceiro.

A desfilar na avenida
Do sonho! A realizar
No samba brasileiro...
A voz de Thaís Macedo
A eternizar.

Vem cantar...
Vem sambar...
Vem desfilar...
Vem Diva para ficar
Nos versos do poeta
Do verbo amar.

(Rodrigo Poeta – 02-01-17)

Comentário da Diva:


quinta-feira, março 23, 2017

O QUERER POR LORENA MOURA



*O Mergulho - escultura da
artista Marina Vergara.

                 Eu quero não possuir os afetos. Quero poder distribuí-los em cada gesto meu. Quero andar sem o peso dos sentimentos. Não quero carregá-los por aí. Pelo contrário, quero espalhá-los, soltá-los, deixá-los ir em direção a quem se destina... 
                Quero transformá-los em voz, em poesia, em canto, em suspiro, em beijos, em abraços e em atrito. Mas quero que eles sejam leves, como balões de gás hélio. Jamais vazios! Não quero criar regras para me controlar e me adequar às minhas limitações, mas quero momentos repletos de vontade e desejo de ser. Quero transcender! Quero ser amável, ser amada, amante... Quero ser feliz, ser alegria e dor... Quero ser o que sentir vontade e necessidade de Ser... Ora criança, ora mulher. 
                 Eu não fui feita para me enquadrar em sistemas, quero quebrá-los e ir contra o rebanho dos insensíveis e do comodismo da "vida". Não quero temer e nem esperar mais do que devo. Busco ir em direção à vida e em direção ao meu centro, pensando sempre na liberdade como uma coisa preciosa e capaz de afetar não só a mim, mas também aos que amo. E dessa forma, quero evoluir como ser humano e poder dizer sim, repetidas vezes, para todas minhas escolhas.














*Lorena Moura.
- Estudante de psicologia da Universidade Federal Fluminense - UFF em Campos dos Goytacazes-RJ.